formada a rede peixe

22/12/2011 as 14:00:02h

II SEMINÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISA EM PESCA E AQUICULTURA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUGUAI

O II Seminário de Estudos e Pesquisa em Pesca e Aqüicultura, realizado no Instituto Sagrada Família, na cidade de Santo Ângelo/RS – Região das Missões, nos dias 17 e 18 de novembro de 2011, teve como objetivos: consolidar os canais de diálogo entre os pesquisadores de Universidades, Fundações de Pesquisa e empresas de pesquisa, pescadores e aqüicultores; conhecer os projetos de pesquisa em andamento nestas instituições; e, definir linhas prioritárias de pesquisas nas seguintes áreas: a) Produção, nutrição e engorda de peixes; b) Reprodução; melhoramento genético das espécies; c) Fisiologia: água e sanidade; d) Ictiofauna: estudo e monitoramento das principais espécies de peixes na Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai; e) Desenvolvimento socioeconômico e cultural das comunidades dos pescadores.

Com apoio do Ministério da Pesca e Aquicultura – MPA, em convênio com a CREHNOR Central, o Seminário realizou-se como parte de um processo de integração entre a comunidade científica, pescadores, aqüicultores e agentes do setor público e da sociedade civil organizada. Este processo foi a marca da caminhada histórica do Pólo de Aquicultura, que teve início no ano de 1998, e se consolidou com a realização do I Seminário, em 2007, quando foram elencadas demandas prioritárias do setor em termos de estudos e pesquisa. Estava claro que a organização da cadeia produtiva do pescado, bem como do ordenamento pesqueiro dependem, fundamentalmente, de base científica para a tomada de decisões.

Elisa Coutinho de Lima, representando o Ministério da Pescada e Aqüicultura, fez a palestra de abertura do Seminário, com o tema: Ações e desafios da pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação em pesca e aqüicultura no Brasil. A palestra foi moderada por Juliano ferreira de Sá, da Superintendência Federal da Pesca e Aquicultura- SFPA/MPA-RS.

Piscicultura de águas públicas e agregação de valor ao pescado foi tema da palestra proferida pelo Prof. Dr. Aldi Feiden, da UNIOSC, Toledo/PR. Além de apresentar as experiências que estão sendo realizadas em tanques-rede em águas públicas, à luz de toda a legislação, Feiden falou sobre a agregação de valor ao pescado, complementada com uma exposição de sub-produtos do pesado, feitos com o couro da tilápia.

Produtos derivados do peixe e produtos elaborados com couro de tilapia – exposição Prof. Dr. Aldi Feiden/UNOESC – Toledo - PR

O Seminário contou com a participação de pesquisadores, representando as seguintes instituições de ensino e pesquisa, fundações e empresas de pesquisa: UFSM (Santa Maria), UNIPAMPA (Uruguaiana), UFRGS (Porto Alegre), UFPEL (Pelotas) URI (Campus de Santiago e Santo Ângelo), UNIJUI (Ijuí), UNOCHAPECÓ (Chapecó-SC), UNIOESC (Toledo – PR), FAPERGS (Porto Alegre), FEPAGRO (Porto Alegre), THERIS (Venâncio Aires), com atuação como painelistas. Também, participaram do seminário, representantes das seguintes entidades parceiras: FAPEM, Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), EMATER, CREHNOR Central, Instituto PARTICIPE (Ijuí), FEPREMES - Faculdade de Educação e Tecnologia da Região Missioneira (São Paulo das Missões), Escola Agrícola Federal de Frederico Westphalen e Escola Técnica Estadual Cruzeiro do Sul (São Luiz Gonzaga).

Em grupos de trabalho, pesquisadores, agentes do setor público e da sociedade civil organizada, pescadores e aquicultores definiram as linhas de pesquisa prioritárias, que vão fazer parte de um programa de pesquisa para a Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai.

PARTICIPAÇÃO DA FAPERGS

A FAPERGS, através da Diretora Científica Dra. Nadya Besce da Silveira, esteve presente em todo o processo de organização do Seminário, através de reuniões realizadas na sede da Fundação, em Porto Alegre, com a participação de pesquisadores da Coordenação Técnica dos trabalhos. Na parte final dos trabalhos, Nadya falou sobre o papel da FAPERGS no processo de pesquisa e desenvolvimento tecnológico no Estado, trazendo contribuição decisiva para a continuidade dos trabalhos.

Finalizando os trabalhos do Seminário, os participantes decidiram pela criação da Rede de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico em Pesca e Aqüicultura na Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai – REDEPEIXE

REDEPEIXE – Rede de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico em Pesca e Aquicultura na Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai

Grupo de trabalho para a construção da REDEPEIXE: MPA – FAPERGS - Comunidade Acadêmica(UPF, UNIPAMPA, UFSM, UFRGS, UNOCHAPECÓ, URI, FEPREMES, UNIOESC) - FEPAM – FEPAGRO – THERIS – Pólo de Aqüicultura e Pesca - CREHNOR Central – Escola Técnica Estadual de São Luiz Gonzaga, Pólo de Aquicultura e Pesca, Instituto PARTICIPE, Pescadores e Aqüicultores.

A criação da REDEPEIXE vem apenas consolidar a existência de condições favoráveis das relações de cooperação e confiança entre pesquisadores, técnicos e as comunidades dos pescadores e aqüicultores, fruto da vivência histórica, do diálogo entre a comunidade científica com o setor produtivo (pesca e aqüicultura). Confiança, cooperação e solidariedade são os elementos que vão somar-se a parte física da rede, que são os dados da pesquisa, produtos e processos, que serão levados ao setor produtivo.

A orientação básica do trabalho da REDEPEIXE será a cargo dos pesquisadores, responsáveis pela produção do conhecimento científico – tecnológico, o principal insumo do setor produtivo. Neste rumo, projeta-se a configuração da REDEPEIXE em quatro núcleos eou áreas básicos:

1. Núcleo de Absorção Tecnológica. Compreende-se os Centros de Pesquisas e Desenvolvimento Tecnológico em Pesca e Aquicultura, existentes em cada uma das Universidades, Fundações de Pesquisa e Institutos Federias de Educação Tecnológica, com foco na Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai;

2. Núcleos de Extensão Tecnológica. Caracterizados pela Assistência Técnica e Extensão Aqüícola e Pesqueira, tendo como atores principais as empresas de Assistência Técnica, Cooperativas, Prefeituras Municipais e as unidades produtivas (produtores) e as comunidades dos pescadores profissionais artesanais. Tem como papel fundamental a difusão do conhecimento e a inovação da base produtiva;

3. Núcleos de Informação Tecnológica. Caracteriza-se pela formação de um Banco de Dados. Encarregado pela seleção e gerenciamento das informações;

4. Núcleo de Orientação Tecnológica. É o núcleo que tem o papel de complementar toda a rede, integrando os pesquisadores, técnicos e pescadores e aquicultores. Seu principal papel é estruturar um programa permanente de capacitação em pesca e aqüicultura. Este núcleo pode assumir outras tarefas consideradas importantes:

a) Apoiar e fomentar os princípios associativoscooperativos;

b) Trabalhar a gestão compartilhada dos recursos pesqueiros e aqüícolas;

c) Melhorar a gestão das instituições e das unidades produtivas da pesca e aqüicultura.

A Comissão encarregada de construir o projeto da REDEPEIXE, juntamente com representantes do Setor Público (Municípios, Estado e União), tem como tarefas: a) elaborar a proposta de projeto da rede; b) elaborar um programa integrado de pesquisa; c) articular a formação de um Acordo de Cooperação Técnica entre Ministérios da Pesca e Aquicultura e do Meio Ambiente, CNPq, FINEP, FAPERGSRS e FAPESCSC.

Eventos